Com perspectivas negativas sobre preço das commodities, dólar se aproxima de R$ 3,90

Publicado em 26/11/2018 por Terra

Bolsa tem leve avanço, puxada por valorização dos papéis da Petrobrás nesta segunda-feira, 26

Com perspectivas negativas sobre preço das commodities, dólar se aproxima de R$ 3,90

O dólar renovou máximas, acima dos R$ 3,88 na última meia hora. Às 12h22, a moeda era cotada a R$ 3,8930, em alta de 1,79%. Já a Bolsa opera em leve alta, puxada pela valorização das ações da Petrobrás. Pouco antes do meio-dia, o Ibovespa subia 0,50%, aos 86.649 pontos, enquanto os papéis da Petrobrás avançavam 2,02% (ON) e 1,72% (PN).

A pressão de alta do dólar ante o real vem de um conjunto de fatores, entre eles as perspectivas sobre os preços das commodities. Apesar de recuperar valor nesta segunda-feira, 26, o petróleo deve continuar caindo, na avaliação do economista-chefe da corretora Spinelli, André Perfeito.

Ele entende que o otimismo do investidor local com o governo de transição de Jair Bolsonaro (PSL) não é compartilhado pelo estrangeiro, que continua saindo do mercado brasileiro. A forte depreciação do minério de ferro no mercado à vista chinês hoje, que afeta diretamente as mineradoras globalmente, também prejudica os termos de troca de exportadores como o Brasil, na avaliação do economista-chefe da Guide Investimentos, João Maurício Rosal.

Em coletiva de imprensa nesta manhã, o coordenador-geral de operações da Dívida Pública, Luis Felipe Vital, relatou que o aumento da participação de estrangeiros em outubro no estoque de títulos públicos brasileiros aconteceu em meio à melhora do cenário de risco da dívida.

"O fluxo de saída de não-residentes vinha se reduzindo nos últimos meses e agora tivemos um fluxo positivo em outubro de cerca de R$ 9,9 bilhões", detalhou. "À medida que a percepção de risco no mercado doméstico diminui a tendência é haver um fluxo maior de entrada de estrangeiros", completou.

Estadão Conteúdo

compartilhe

comente